powered by

Protótipo lunar da Michelin nas 24 Horas de Le Mans

A Michelin exibe, pela primeira vez, nas 24 Horas de Le Mans, o protótipo de roda lunar, sem ar, desenvolvido para responder às necessidades do programa Artemis da NASA.
Check-up Media Michelin NASA

O objetivo do programa Artemis da NASA é explorar o polo sul da Lua, onde o ser humano nunca esteve, para adquirir dados científicos e procurar água em forma de gelo. “A Michelin está a desenvolver uma roda sem ar para o veículo lunar que poderá realizar esta missão, que terá de permanecer na Lua durante uma década, transportar dois astronautas, explorar áreas remotas e recolher amostras”, adianta o fabricante.

“Entre as missões tripuladas, espera-se que este veículo se desloque para os diferentes pontos de aterragem com energia própria e opere de forma autónoma, o que representa um enorme salto em comparação com o trabalho da NASA no programa Apollo durante o período abrangido entre 1961 e 1972”, recorda a Michelin, em comunicado.

Parceria com NASA

“Durante 135 missões, de 1995 a 2007, a NASA confiou à Michelin o design e a produção dos pneus do seu veículo espacial. Desde então, conduzimos pesquisas para uma variedade de rovers lunares e, em 2021, iniciámos uma nova colaboração com a equipa de design da Intuitive Machines e seus parceiros, Northrop Grumman, Boeing e AVL, para desenvolver rodas para o rover lunar Artemis. Envolvemos, desta forma, no programa após responder a um concurso lançado pela NASA”, diz Christophe Moriceau, diretor de Pesquisa Avançada da Michelin.

Esta roda muito especial terá de enfrentar condições extremas quando chegar à Lua. Por vários motivos. “Adesão: sendo a gravidade um sexto da Terra, a Lua apresenta um desafio único, independentemente do tamanho ou peso do veículo”, revela.

“Escalar encostas arenosas já é difícil na Terra, mas é ainda mais desafiador na Lua, onde o rover enfrentará inclinações de até 20° em terreno solto e não compactado”, explica.

“Para isso, serão necessárias rodas específicas e duráveis, que ofereçam aderência em todos os tipos de superfícies. Para aumentar a aderência, a roda lunar terá de gerar uma parte plana na sua banda de rodagem que permita obter a maior superfície de contato possível, de forma semelhante ao que os humanos fazem ao usar raquetes de neve em pó para distribuir o peso e se mover com mais facilidade, sem levar em conta a flexibilidade do material”, acrescenta.

Check-up Media Michelin NASA 2
Ausência de atmosfera

Outra das características é a “ausência de atmosfera”: a superfície da Lua não está protegida por uma atmosfera. “Como resultado, os níveis de UV são muito mais elevados e os materiais envelhecem muito mais rapidamente. As rodas do rover ficarão em contacto permanente com o solo e expostas aos ataques do sol e dos raios UV”, alerta.

“Além disso, também devem resistir à radiação eletromagnética. Estes fenómenos terão, claramente, impacto no desempenho do veículo e das suas rodas, pelo que é vital abordá-los através de um trabalho aprofundado sobre os materiais, a sua resistência a um ambiente e até mesmo as suas propriedades tribológicas (interação de fricção), bem como uma profunda conhecimento do que é necessário para funcionar num ambiente tão hostil”, esclarece.

A baixa resistência ao rolamento: o rover passará grande parte do seu tempo na sombra e, portanto, não será capaz de recarregar frequentemente as suas baterias utilizando os seus painéis solares.

“Consequentemente, os materiais e o design concebidos pela Michelin devem minimizar as necessidades energéticas para preservar a autonomia do veículo. Quanto menos resistência o veículo tiver de superar, causada diretamente pelas rodas, menos energia precisará para avançar”, assegura o fabricante.

Mais: é “resistente à abrasão”. A areia no polo sul da Lua sofreu muito pouca erosão, o que significa que pode ser muito abrasiva para as superfícies que entram em contacto com ela.

“Para funcionar de forma fiável ao longo de 10.000 km e 10 anos, além das capacidades off-road em areia, rochas e crateras, as rodas do veículo devem ser feitas de materiais particularmente resistentes, capazes de manter as suas propriedades independentemente das condições”, sublinha a Michelin.

Check-up Media Michelin rover lunar close

O clima também tem uma palavra a dizer. “Os cientistas esperam encontrar água sob a forma de gelo a temperaturas que podem descer até quase -250°C, mas subir até +100°C em alguns locais. Esta variação não existe na Terra, que só consegue suportar materiais com composição e capacidade de deformação excecionais”, diz.

Os vulcões do Maciço Central francês substituirão a Lua nas tarefas de desenvolvimento. “Embora amostras de rochas lunares tenham sido trazidas de missões anteriores, as publicações científicas são a principal fonte de referência para os especialistas em investigação da Michelin”, diz.

“Foi assim que perceberam que a região vulcânica francesa de Auvergne – não muito longe da sede da empresa, em Clermont-Ferrand, no Maciço Central – tem certas semelhanças com o solo lunar, o que a torna ideal para testes”, acrescenta a mesma fonte.

Das 24 Horas à Lua

Embora possa parecer que os pneus Michelin Pilot Sport Endurance que equipam os protótipos Hypercar no Campeonato Mundial de Endurance FIA-WEC e os pneus sem ar concebidos para passar 10 anos na Lua não tenham nada em comum, na realidade, “ambos são uma amostra dos pneus Michelin, que tem capacidade única de inovação para oferecer o melhor desempenho pelo máximo de tempo possível”, afirma o fabricante.

“Ambos foram concebidos em Clermont-Ferrand (França), no Centro de Investigação Michelin, e devem a sua excecional longevidade aos materiais de alta tecnologia desenvolvidos pela Michelin. São estes mesmos materiais, aliados ao conhecimento e experiência dos 6.000 especialistas que trabalham nos Centros de Investigação e Desenvolvimento do grupo, que os tornam em pneus excecionais”, salienta.

No mundo do automobilismo, a Michelin dispõe de um “domínio único dos materiais que lhe permite oferecer aos seus parceiros desempenhos duradouros”, afirma. Consciente de que a qualidade ambiental mais importante de um pneu é a sua vida útil, a Michelin está há muito comprometida com a inovação para maximizar a vida útil dos seus pneus.

Check-up Media NASA Artemis

“Ao longo dos anos, isto levou a uma longa lista de recordes relacionados com a longevidade em circuitos de todo o mundo. Desde 2011, por exemplo, os pneus Michelin para a categoria principal de corridas de resistência percorreram mais de 700 km nas 24 Horas de Le Mans com tempos de volta quase constantes”, revela.

“Isto equivale à distância de mais de dois Grandes Prémios de Fórmula 1 ao mesmo tempo. Esta duração excecional permitiu à Michelin reduzir para metade o número de pneus consumidos na corrida em comparação com o início dos anos 2000”, conta.

“Mais recentemente, nas 6 Hora de Imola (Itália) em abril passado, um dos protótipos da Ferrari completou 129 voltas (632 km) com um único jogo de pneus, um novo recorde que faz parte das proezas da Michelin”, acrescenta.

As gamas de competição Endurance da Michelin são compostas por pneus capazes de percorrer o maior número de quilómetros a um ritmo elevado e constante, suportando cargas consideráveis e forças longitudinais e laterais extremamente elevadas geradas pelos sofisticados protótipos Hypercar atuais.

Graças a esta experiência, a Michelin “ultrapassa os limites tradicionais da mobilidade”, garante. E aborda novas áreas para olhar para o futuro com otimismo. “Este know-how distintivo é fundamental para sermos líderes na pista, na estrada e, porque não, no futuro também no espaço”, conclui.

Mais sobre a Michelin aqui.

artigos relacionados

Últimas

Pneus

Internacional