powered by

Neutralidade carbónica em 2050? É esse o objetivo da Valeo

Descarbonizar é a palavra de ordem. Por isso, em 2050, o fabricante francês compromete-se a desenvolver a sua atividade sem quaisquer emissões de carbono.

Descarbonização não é palavrão. Antes uma forma de ação. E a Valeo já começou, em 2010, a sua caminhada rumo a esse destino. Tudo para combater as alterações climáticas, fruto do aquecimento global provocado pelos Gases com Efeito de Estufa (GEE).

Jacques Aschenbroich, presidente e CEO da Valeo, lidera esta missão. “Toda a indústria automóvel está a investir imenso para combater o aquecimento global. Na Valeo, a redução das emissões de CO2 tem sido o tema central na nossa estratégia desde 2010”, afirmou.

Acrescentando que “as vendas geradas a partir de tecnologias que ajudam a reduzir as emissões de CO2 cresceram 20 vezes, para cerca de 10 mil milhões de euros em 2021. Continuaremos a desenvolver esforços com o objetivo de alcançar a neutralidade carbónica em 2050 e atingir quase metade dessa meta em 2030”.

Sabia que…

como empresa de tecnologia, a Valeo propõe produtos e sistemas inovadores que contribuem para a redução das emissões de CO2 e para o desenvolvimento de uma condução intuitiva?

Até 2030, a Valeo terá investido mais de 400 milhões de euros na redução das emissões relacionadas com as suas atividades operacionais. Investimento esse que será utilizado ​​para atualizar as instalações do grupo, de modo a permitir que as atuais 100 infraestruturas mais intensivas em carbono se tornem locais de elevada eficiência energética em 2030.

As atualizações incluirão o desenvolvimento de edifícios ecológicos, o uso generalizado de iluminação LED e a integração de sistemas de recuperação de calor. A proporção de energia de baixo consumo de carbono na energia do grupo passará de 5,5% em 2019 para 80% em 2030, prevendo-se que chegue aos 50% em 2025.

Várias instalações encontram-se já a testar alternativas de energia renovável, incluindo três locais do grupo: Chennai (Índia), onde 90% do consumo provém de energia eólica; Sanand (Índia); Bad Rodach (Alemanha). As duas últimas recorrem à sua própria energia solar para produzir 30% e 20% da energia que consomem, respetivamente.

“Toda a indústria automóvel está a investir imenso para combater o aquecimento global. Na Valeo, a redução das emissões de CO2 tem sido o tema central na nossa estratégia desde 2010”
Valeo CEO
Jacques Aschenbroich
Presidente e CEO da Valeo

A Valeo definiu, também, os mesmos objetivos de redução de emissões de CO2 para fornecedores, além de aumentar o recurso a materiais de baixas emissões. Ao mesmo tempo, continuará a expandir o seu portefólio de tecnologias que contribuem para a mobilidade de baixo carbono, em particular soluções para a eletrificação de veículos, área em que o grupo é, aliás, líder mundial.

Nos últimos 10 anos, a Valeo investiu mais de 10 mil milhões de euros em tecnologias que reduzem emissões de CO2. Em 2019, 57% das suas vendas deveram-se a tecnologias que visam reduzir as emissões de CO2.

Secção patrocinada por empresas que apoiam jornalismo de qualidade
SKFATA_store_300x150_m2liquimoly_300x150_mLogo_Mewa_300x150FUCHS_logo_300x150_mimporspeed_300x150

artigos relacionados

Últimas

Pneus

Internacional