powered by

Automóveis usados são a escolha de um em cada três portugueses

Durante a pandemia, a opção pela compra de veículos usados tem sido uma solução bastante atrativa para os consumidores portugueses, diz o Observador Cetelem.

A crise económica provocada pela covid-19 tem sido particularmente grave para o setor automóvel, cujo mercado regista quebras nas vendas acima dos 32% face a 2019. Mas perante este cenário, há tendências que se mantêm quase inalteradas. Uma delas, é a atração pela compra de veículos usados em período de crise.

“Numa média a nível global, 25% das próximas compras será efetuada neste mercado. Os portugueses, polacos, sul-africanos, holandeses e franceses são os que, em maior número, ponderam esta hipótese”, explica o Observador Cetelem.

E acrescenta: “Chineses, espanhóis e japoneses rejeitam esta perspetiva, numa percentagem de cerca de 90%. Esta tendência permanece de tal forma que, nos primeiros meses de pandemia e face ao período homólogo, a Alemanha registou uma quebra nos registos de veículos novos de 64%, mas de apenas 11% nos veículos usados”.

Num contexto em que a tensão económica teve forte impacto nas famílias, o “mercado de usados faz a diferença, uma vez que requer um orçamento menor para gastar na compra face à aquisição de um veículo novo”, frisa.

Os argumentos para esta aposta nos usados? “A diferença de preço, em comparação com um novo (48%) e o facto de um novo modelo desvalorizar de forma mais rápida (34%)”, revela o estudo.

“Dentro dos veículos usados há uma categoria que se destaca em particular: os usados com menos de um ano. Cerca de um em cada quatro inquiridos considera-o ‘um bom compromisso’ e um em cinco, uma maneira económica de mudar a gama”, refere.

Mais sobre o Observador Cetelem aqui.

Secção patrocinada por empresas que apoiam jornalismo de qualidade
SKFEuromais peças e pneusLogo_Mewa_300x150FUCHS_logo_300x150_mimporspeed_300x150liquimoly_300x150_m

artigos relacionados

Últimas

Atualidade

Internacional