Skip to content

“Recuperação económica e a cultura do medo”

Estamos a finalizar mais um ano onde, infelizmente, não conseguimos repetir o nível económico de 2019. Vivemos demasiado de desculpas e de fatores “incontroláveis”. Desta vez, aparentemente bem aceites pelos portugueses, graças à pandemia.
Check-up Media Aldo Machado NEX Tyres

Mas tal leva-nos a manter uma distância colossal do pelotão europeu. O principal motivo para novo insucesso é vivermos sob uma cultura de medo. E, isto, deve ser levado muito a sério por todos. Devemos lutar para que se combata ferozmente este fenómeno!

O português vacinado tem medo de ser infetado porque pode ser mau. O português trabalhador tem medo de estar no local de trabalho ou de ter de estar em regime de teletrabalho porque pode ser pior. O português tem medo de ir a eleições porque pode ser péssimo. O português tem medo de morrer… Mas, afinal de contas, parece que o português tem é medo de viver!

Este fenómeno tem origem numa comunicação manipulada e massiva que, geralmente, se serve desta mesma cultura para dominar e, simultaneamente, ocultar a sua incompetência. Pavoneamo-nos por termos quase toda a população vacinada e fechamos as fronteiras ao turismo (responsável, em 2019, por quase 1/5 do nosso PIB) com as maiores imposições a nível europeu no controlo de fronteiras durante o período de Natal e Ano Novo.

Afinal de contas, os nossos governantes não confiam nas vacinas ou… também estão com medo! Assim, não vamos a lado nenhum! Um noticiário de uma hora em Portugal tem 50% do seu tempo ocupado com a pandemia, 20% com a pandemia no mundo, 20% com qualquer tragédia ou alterações climáticas e 10% sobre futebol. 90% com medo de que o mundo acabe entre hoje e amanhã e 10% para distrair e não produzir.

O português vacinado tem medo de ser infetado porque pode ser mau. O português trabalhador tem medo de estar no local de trabalho ou de ter de estar em regime de teletrabalho porque pode ser pior. O português tem medo de ir a eleições porque pode ser péssimo. O português tem medo de morrer… Mas, afinal de contas, parece que o português tem é medo de viver!

Aldo Machado, Country Manager Portugal da NEX Tyres

Competitividade e produtividade esbarram neste clima de medo, empurram o país para o abismo e matam a credibilidade de toda a sociedade perante a Europa e o mundo. Exemplos de sucesso, crescimento económico em determinados setores, economia em situação de quase pleno emprego… absolutamente nada na TV!

O país vive da iminente tragédia, não se guia por exemplos de sucesso, não prioriza a economia e detém-nos no marasmo que nos leva a que, em meio milénio, tenhamos passado de potência transcontinental à insignificância mundial!

O tal mundo onde temos uma opinião crítica e onde gostamos de tentar impor os nossos ideais, sem medo. Veja-se o exemplo do nosso Presidente da República perante o seu homólogo Jair Bolsonaro… líder de um país que, este ano, já irá superar o nível económico de 2019!

Gostando-se ou não de Bolsonaro, o medo não faz parte da cultura no Brasil e, provavelmente, devíamos começar a pensar nisso…

Ao Check-up e a todos, desejo muita saúde e muito sucesso profissional e pessoal.

Secção patrocinada por empresas que apoiam jornalismo de qualidade
Swag

 ÚLTIMAS 

Translate »