Skip to content
“Check-up digital ao aftermarket
Vivemos um momento singular da nossa existência e, com grande probabilidade, não assistiremos a outro evento tão disruptivo quanto a pandemia.
fernando_amaral_alidata

Como costumo afirmar, esta crise sanitária global fez mais pela digitalização das organizações num mês do que as nossas tecnológicas fizeram em décadas. Veio, assim, forçar um novo push à cultura tecnológica das empresas.

Como agora é evidente, a digitalização, ou transformação digital, é o único caminho viável para um futuro sustentável das empresas, qualquer que seja o setor de atividade. Por consequência, também para o aftermarket automóvel. É, pois, com agrado que, em plena pandemia, vejo surgir este meritório projeto editorial, que, como não poderia deixar de ser, de forma visionária, assenta unicamente e também de forma disruptiva, em meios exclusivamente digitais.

Um verdadeiro check-up a este mercado que, estou certo, responderá da melhor forma. Afinal, na nova economia digital, que já se vive no aftermarket, o cliente (neste caso, o leitor) assume uma nova centralidade. É assim que acredito que vá acontecer com esta plataforma, tal como já acontece em empresas do ramo, em que a conexão bidirecional entre pessoas e dispositivos é a norma.

Só a tecnologia permite essas ligações. Software de colaboração, cloud, aplicações, messaging, ferramentas de marketing digital e portais, entre muitas outras plataformas, oferecem um nível de informação e colaboração a todos os intervenientes num patamar sem precedentes.

As organizações têm, neste momento, uma oportunidade única de liderarem esse processo, com o investimento em novas tecnologias e transformação digital, por forma a conseguirem diferenciar-se e fazer evoluir radicalmente os modelos de negócio tradicionais. A transformação digital é um imperativo de negócio pelo valor potencial que gera em si mesma, mas, também, um imperativo de responsabilidade social. Afinal, como defendia Charles Darwin, só os que se adaptam não desaparecem.

É, pois, com agrado que, em plena pandemia, vejo surgir este meritório projeto editorial, que, como não poderia deixar de ser, de forma visionária, assenta unicamente e também de forma disruptiva, em meios exclusivamente digitais

Fernando Amaral, CEO da Alidata e Chairman do Sendys Group

O digital, lato sensu, acompanhado da pandemia, representa uma oportunidade única para as empresas portuguesas nivelarem com players internacionais de maior dimensão e conseguirem assegurar, hoje, um crescimento sustentável a longo prazo, duradouro e com impacto. Infelizmente, nem todas as micro, pequenas e até médias empresas, que são o pulmão da economia portuguesa, compreendem ainda, mesmo em plena pandemia, a importância de uma maior digitalização.

No seu conjunto, asseguram a quase totalidade do emprego em Portugal. É, por isso, que advogo que a transformação digital é uma responsabilidade social de qualquer organização. Uma verdade transversal que também abrange o aftermarket automóvel.

Empresas que, a breve trecho, tornar-se-ão verdadeiras organizações digitais. Vão transacionar produtos físicos através de interfaces digitais e serviços digitais, presenciais ou híbridos, que já prestam hoje, bem como outros inovadores que serão criados com base em informação recolhida junto de clientes e fornecedores. Tudo em verdadeiros ecossistemas digitais.

É precisamente no digital e em plena pandemia, alinhado com o que defendemos, que surge o Check-up e me faz recordar o general e filósofo chinês Sun Tzu, que escreveu o livro “A arte da Guerra”, segundo o qual “as oportunidades multiplica-se à medida que são agarradas”.

Secção patrocinada por empresas que apoiam jornalismo de qualidade
Cafe_Manbo2_865x175